Conectados…

De onde vocês estão me assistindo? Eram bilhões de canais de redes sociais, que o publico acompanhava muito mais do que naquele velho aparelho de tv…

Cachorros deitados, cachorros em pé, vocês procuram por comida aonde? E as redes sociais entopem seus armários e a velha geladeira da cozinha com azulejos velhos também… E com aquele montão de desperdício…

De comunicação extraviada, parecendo um gigantesco “telefone sem fio”… Vocês lêem A, o autor escreveu nas entrelinhas e quem não pegou entendeu Z… E adivinha quem contribui um tantão com isso tudo, cacofonia intermitente… Ele desligou de sua rede social e sentou-se aconchegante em um sofá qualquer…

Não quero assistir mais ninguém por hoje… E amanhã me ligo para que vocês me assistam também… Os frangos continuam girando em suas televisões, e os cachorros continuam babando…

Eu sou a alegria de viver Arte!

Uns gostam da crítica e a acham positiva…

Tem gente que não gosta e a acha negativa…

Tem gente que acha normal criticar tudo o que está do lado…

E tem outros que se sentem tão mal criticados…

Agora uma coisa que não entendo, eu aqui produzindo no meu cantim“…

E se você não produz nada, por que vai me criticar com esse “dedim“?

Dizem que é por que estou tentando algo novo ou interessante…

Mas mais interessante que cada um cuidasse da sua vida…

E produzissem seus sonhos viajantes!

Qual a Sua Música… ?!

É uma beleza o que está acontecendo, maravilha, levante seu corpo, não vá esmorecendo… esconda os trens ruins que não conseguimos entender e muito menos controlar, já passou da hora, vamos seguir pra cima, vamos nos esbaldar!

Em um ritmo frenético, essa cidade que não para, estamos sempre a procurar um lugar que te sara… certo de que é outro lugar que eu quero, e fazer umas visitas momentâneas, são Paulo é uma cidade que venero…

Ações subliminares não pega para quem tem experiência, é a gente que limita nossa razão à paciência… Esperar é um processo duro, porém é em um susto, vai sair do escuro!

Não finja que não se mostrou, por que eu nessa vida, vi, vivi e sei do que sou capaz, está longe de me conhecer, tenho muita história para contar, segue essa ideia meu bom rapaz…

Segue o som tá levinho, tá gostosinho, tá pra estrada e pra balada, na pista vamos ganhar… Na pista vamos ganhar… 😉

Os 4 Sentimentos

Alegria sobrevoava tranquila sobre as terras flutuantes… De um lado as maravilhosas inconsistências da natureza, tomando conta de uma forma disforme… Era a liberdade… Criativa, sedutora, suave… Do outro lado aquela sequidão, uma transformação que trazia os medos, os anseios de não saber sobre o que iria acontecer… Eles tomam contam, quem sabe segurar a emoção às vezes parece estar no controle, mas se quer sentir de verdade o pulsar das veias, o frisson dos arrepios… deixa sair os sentimentos…

Script…

ela estava sentada em cima de uma árvore beeem estranha… parecia comandar um exército de espectros, cabeças de caveiras encravadas no topo do tronco envelhecido, e ela fazendo gestos dançantes com o braço e os dedos e névoas de cores pálidas…

haviam alces ostentando dentes por dentro de sua carne, e carneiros gigantescos com faces de um lagarto bravo… veados galheiros sem o focinho mostrando duas grandes presas debaixo para cima em sua bizarríssima expressão… bom, eu to tentando é esclarecer que as coisas que estavam por ali naquele momento não eram lá muito normais, por mais anormais que as coisas nos pareçam hoje, pegaram a ideia?! risadas! e havia também um rinoceronte ou sei lá o que aquele ser parecia, com uma pomba amarela na cabeça batendo suas asas e bicando aquele enorme chifre liso e cor de rosa, logo abaixo seus olhos brilhantes e amarelos e saliências ossudas saindo de sua bocarra… descritivo, imaginem essa cena, completando com outras duas feras demoníacas em suas aparências, uma galinha desproporcional com sua arcada recheada de finos dentes como uma serrilha de engrenagem… e por último, sério minha gente, não sei nem o que é e muito menos como descrever tal criatura, porém sintam no estômago aquele arrepio incontrolável sabendo que você irá levar um puta susto e não adianta fugir, na real é paralisante… enfim…

seguimos com o jogo, cada movimento é extremo e importante… entender aqueles que escolhem “problemas”, ou ser uma pessoa mais leve; muitos falam que é tocar o foda-se, outros que é não se importar… para mim é mais sentar e assistir o mar agitar suas ondas e chegar até meus pés esfriando aquele leve ardor do sol…

era impressão, ou isso tudo acontecia dentro de uma concha… sim, uma daqueles que abrem a boca, com uma pérola brilhante e durona dentro… ilimitado…

e então ela chegou com uma serpente de tintas negras chuviscando por cima da pequena bruxinha… será que haveria alguma escapatória, governantes sujos continuavam no poder a mais de mil anos, e todos aplaudiam o rei, como se o que ele fizesse fosse algo realmente valioso para o feudo… pobres incautos… esta menina é a nossa cura

logo após as tormentas vem a calmaria… um mar sereno e liso, como uma piscina de águas com mil tons de índigos e viridantes… ela apareceu deslumbrante com uma grossa capa de veludo… parou diante da enorme fonte de energia e pousou delicadamente seus braços ao lado de seu corpo… sentiu a alegoria fantasmagórica chegando com sua imagem esbranquiçada, e voltou à 2013, ouvindo um som retubante dentro de sua cabeça… uivos de lobos… músicas e desenhos… pare com isso agora, vamos finalizar…

ninguém nunca saberá quem venceu a batalha, afinal, existem vencedores de uma guerra? eu acho que não… seguiu seu caminho até o mar, sentiu as ondas taparem sua bermuda e a deliciosa sensação gelada subindo o corpo preparando para um, dois, três mergulhos furando ondas e uma volta triunfante com pequenos pulinhos e batidas de cabelo para começar a se secar e fechar seus olhos e sentir o vermelho do astro do dia… coloquei a caneta no tinteiro e olhei para fora da janela… “ô saudade que balança meu bucho!”

Relação!

Um obrigado e um bom dia…

Inicia-se com alegria…

Leve, flutuante…

Com gargalhadas eletrizantes…

É um procedimento de vida…

Como o nascimento ou a morte…

Um caminho que nos conforte…

Deixa a energia fluir em você…

O sangue corre sem parar…

Tantos encontros para se viajar…

Felicidade do momento vivido…

Assuntos aleatórios envolvidos…

Ela me olhou com o desejar…

Eu devolvi e resolvi te amar…

Sem perguntas para responder…

Livre e leve, se deixaram conviver!

Casa comigo?

Não estava nada criativo, ou haviam desculpas em formas de “confortos capitalistas” que valiam a pena de vez em quando… na maioria daquela espécie, era praticamente a vida toda deles… quem inventou ou “quens”, no seja lá como for aquilo hipnotiza de tal forma que fica complicado explicar como perder tanto tempo com coisas que parecem inutéis, defendendo seu tempo diante da tela como mais importante por produzir cultura… porém ele consumia e amava o entretenimento, muitos diriam que é perder total o seu próprio tempo…

e ela disse Sim!

Referências…

Ahhh… e lá estava ele, sozinho novamente… é engraçado, quando foi que estivemos mesmo com alguém… a pergunta é simples, pelo menos ele achava… todos somos inteiros, todos somos únicos, e a tal sociedade pinta aquela máxima de procurar sua “cara metade”… somos metades para serem “completadas”… ele não acreditava nisso mas nem… fudendo! a melhor coisa que poderia ter feito é ter conhecido os contos de Bukowski e visto um documentário horroroso mostrando como aquele sujeito era ruim… um ser humano ruim… porém, verdadeiro… verdadeiro com seus sentimentos, com suas ânsias, com suas palavras, era isso que demonstrava em seus contos, com seu personagem alter ego, destilando à verdade que não gostamos de ver nem de saber, preferimos as notícias ruins de que as guerras acontecem longe de nós, ou as novelas criando fantasias de amores impossíveis e que os “malvados” serão punidos pelos seus crimes… ele parou e pensou de novo, tudo isso é humano, vem sendo criado por eras e eras, nem sabia mensurar um tempo, só sabia que desde o início e desde o sempre, parece que a falha humana, ou a fome de bactéria, o instinto de ataque gratuito, e só por que sim…

Esse próximo parágrafo será melhor, ele dizia… todos os dias de sua vida, todos os momentos em que acordava sem entender o por que estava acordando, por que seus músculos reagiam e seus olhos se abriam e ele sentia a energia entrando… estava vivo! Então vamos começar mais um dia, o dia a dia, lembrando os caminhos paralelos… saiu a pé, foi fazer aquela tal busca que já colocaram nos guias de turismo que você vai encontrar seja lá o que for, se fizer, caminhos de compostela, lembrava a ele de “compota”, de morango ou de cereja, tanto faz, gostava de frutas… O que ele queria com isso, escrevendo dessa forma estranha, às vezes pontuando coisas que pareciam não ter a menor ligação entre elas… lembre-se, se viemos do pó e a única certeza era a morte, ele escreveu um conto chamado “Tudo”, e o universo, quando você olha pro céu escuro e vê as pontinhas brilhantes lá em cima, são estrelas, será que são… e lembrou-se de uma pessoa que passou a atmosfera que relatava o quão pequeno somos, um sentimento de imensidão de vida, de grandiosidade, mas não do ser humano, e sim de um todo, dos azuis, das nuvens cobrindo a terra, dos movimentos da natureza… e não dava para ver pessoas, elas estavam lá, ele sabia, mas não dava para vê-las… qual é a sua importância?!

Transcendência

Raramente uma história começa pelo seu título, ou isso não é uma regra geral… não me lembro também de alguma começar com algo que tenha acontecido o tempo inteiro, afinal de contas, qual é a motivação para criar algo novo, senão tentar mesmo algo novo…

Se existem os seres sábios, as energias e os quaisquer uns… universos paralelos se chocando para ditar uma variedade tão grande de acontecimentos que fico me perguntando sério mesmo, será que é tudo uma criação sádica de um doido qualquer, ou é o que… vidas paralelas como parasitas celestiais… deuses não existem, a não ser pelo menos a tal da fé que dizem… existir… vai saber qual o tamanho da loucura para criar uma necessidade de alguém superior a quem se deve alguma devoção ou pior, uma dívida, de pecados sei lá de quem se inventou isso… dizem que veio da igreja, mas explica melhor, não é ela que diz que é para ser legal com as pessoas todas, ou fiquei maluco quando me falaram que existiam dez mandamentos a serem seguidos cada um mais nebuloso que o outro… e aquele que diz algo parecido do não faça ao outro o que não quer que façam contigo… nunca soube muito dessas coisas, no entanto se tem algo que me marcou e eu me pergunto por que tanta guerra… eram para ser tantas flores, olhei para aquele espiral de fotos e invadiram pigmentos vívidos girando em velocidades diferentes, formando criaturas aladas, indo e voltando dentro de nossas próprias mentes… cultura levada de forma leve, deveriamos ter mais disso… certo…

Para quantos sentimentos a criatividade explode de uma forma tão alucinada que nada no mundo vai querer fazer você parar… nada…

Um sonho… ter alguém que me venda… me gerencia… me deixe apenas desenhando e escrevendo… me deixe criando…

Aquele artista que ouvimos falar em outro conto estava de volta. Suava feito um porco sobre sua prancheta e não conseguia produzir uma linha sequer… O suor escorria pela testa, lambia o nariz até cair e ensopar o papel, que então enrugava todo o grande vazio branco à sua frente…

Seus olhos tremiam muito, parecia um tanto perturbado. Olhando para seu estúdio/apê daria para imaginar que a vida desse nosso amigo não estava das mais fáceis.

O quão incrível poderia ser o controle dos sentimentos… ou isso seria aterrador, pois eliminaria a prazerosa possibilidade de viver as “surpresas”… de qualquer forma escolhermos experiências que nos excitem à querer viver mais e mais, por que percebe-se que há um montão de coisas dentro de si que só indo para fora da zona de conforto, o famoso conforto, ou dá-se a cara a tapa, ou assumir as responsabilidades e encarar a maturidade (ou velhice como queiram)… Alguns chamam de esportes radicais, devido ao risco iminente de morte para àqueles que o praticam, seja qual for. O problema, se é que existe um, está na ideia absurda de se acreditar que não irá morrer, e isso por si só já é um pensamento que de forma complexa vem rodeando a mente desse que vos fala de um jeito um tanto cansada, pois já tenho perdido um tanto a paciência e isso só demonstra que algumas escolhas realmente não valem a pena perante outras que acreditamos serem boas, visto os valores distintos de cada ser humano… voltando ao ponto central de nosso bate-papo, por que achar que a eternidade é algo maravilhoso, que reencarnar é um processo evolutivo e morrer é algo tão ruim… não sei se são perguntas ou propulsores de querer mais do que está sendo oferecido pelos “programadores”… Bom, sendo isso um fato, e tentando fazer um julgamento parcial de toda essa ideia controversa, sabemos que “morrer” é um verbo absoluto para tudo aquilo que está “vivo”, portanto, como acreditar que alguém pode querer abdicar disso, visto que tem tantas crenças alucinadas tentando nos explicar e deixando a gente mais confuso ainda… sobre o quão lindo é viver e fazer coisas boas para si e para os outros e como é entristecedor alguém do “bem” morrer… qualquer um… Na real deixou esse sentimento de lado assim que entendeu que vai acontecer consigo e pode ser em qualquer momento… independe de se estar “bem de saúde”, física ou mental… ou ambos como sempre… é tão curto para ser ruim, tão rápido para ser desgostoso… uma vez só, iremos nos lembrar, e até isso já tentaram explicar em religiões e filosofias, mesmo elas sendo Cavaleiras da Virtude, ainda assim não explicam tudo de tudo e aquele nozinho, entalado na garganta, o mesmo que nos faz rir e nos faz chorar… se não há respostas, e nem um final feliz, por que o durante esse pequeno trajeto às predileções tendem a variar tanto deixando aquilo que pode ser somente bom………………..

Parece que sentimentos enviesados são excelentes motivadores para a criatividade… não que isso seja algo entendível e nem de fácil… isso mesmo que leu… e lendo outros autores notamos também que esta pode não ser a constatação mais genial, mas é uma das mais controversas quando se trata de criar algo em que se acredita, com um sentimento reto de amor… pessoas são pessoas, ouço um monte delas pregarem cada absurdo, e no entanto, quando é uma pessoa com um pincel, um lápis ou uma câmera… sem vacilos, é um só e geralmente na primeira vez… a primeira nota, o primeiro rabisco, a primeira pincelada e o primeiro enquadramento… outros estão buscando o que querem e dão suas justificativas para seus fins ou meios, sei lá… pior aqueles que acreditan saber mais do outro, sobre o do outro, pelo outro… como se a definição de “o que é melhor” fosse mais um padrão… hmmm e… nenhuma definição, sem olhar dentro dos olhos, nem mesmo pensar que o outro “isso ou aquilo” do bem ou da necessidade alheia… uma larica infinita de ideias saem de dentro do estômago e tudo começa a ficar lento e rotativo…

Então seguimos naquelas brisas enlouquecidas de que tudo (e já temos que abrir um parêntese de cara por que nesse caso é necessário enfatizar, tudo, é TUDO mesmo…

Pílulas de Amô!

“Alegria e Êxtase andavam de mãos dadas e apertadas com um andar pomposo e saltitante. Transbordavam Amor e Paz, que se juntavam a eles em uma das orgias mais deliciosas que os sentimentos podem ter.”

“Dizem que o Amor e o Sexo vem separados em dois pacotinhos. Você pode ter tanto um quanto o outro sem necessariamente misturá-los, no entanto já ouvi dizer que quando se junta fica melhor ainda, tanto o amor, quanto o sexo…”

“Não é sobre transar o dia inteiro se achando a máquina perfeita de sexo… é sobre curtir todos esses momentos de intervalo entre um sexo e outro…”

“A ideia é bem simples, o sexo quando volta a acontecer, após um tempo de estiagem e seja lá qual o motivo, é bem provável de ser bem melhor que o anterior (não querendo comparar, mas já fazendo-o), e sempre ser o melhor no momento em que acontece, afinal, sexo é sexo, e por si só já é bom!” (um breve pensamento sobre o egoísmo do Orgasmo que nos eleva a sensações inexplicáveis e no momento seguinte é como uma bomba que arrasou tudo e daí temos que juntar os cacarecos…)