Um Poema Para Crer…

que se além dos nossos olhos o que tem para se ver… saber… entender… esse tal de viver…

dizem as maiores ciências, apoiadas por filosofias e religiões, que tudo começou com grandes explosões…

de alguma coisa minúscula, que jamais conseguirímos enxergar com nossos próprios olhos nus…

concentrada em uma massa densa tão grande, que criou tudo aquilo que as ciências, as filosofias e as religiões nos apresentam… (para a vida)…

aqui, e lá fora… fora de onde nossa vista não alcança, para além do azul total, acima, abaixo, por todos os lados…

de uma mistura química de energias com nomes criados pelas palavras conhecidas… de regras biológicas com funções e motores que fariam trabalhar todas as máquinas… de energias físicas que dariam uma beleza tônica às paisagens flutuantes com raios e fogo…

Então de poeira cósmica, de água “congelada” (?) e de tantos fatores e variáveis que não se explica e simplesmente se criam divindades para acalentar nossos corações egoístas… será?

Vamos Praticar Filosofias…

Aahhh aquele sabor adocicado e gelado que passava pela lingua e banhava o céu da boca, descendo pela garganta e chegando ao… cérebro… mais precisamente na parte de trás da cabeça; e a sensação é uma delícia…

é complexo de entender, em menos de sessenta segundos, algo que em teoria passa voando de rápido, mas que podem ser tão aniquiladores pelas palavras quanto facas afiadas… não dava para acompanhar as nuances daquele humor…

somos seres humanos, fazemos promessas constantes em datas que consideramos especiais para nos tornarmos pessoas melhores… e o que isso significa, o que é que significa se as pessoas que falam que são gente boa, que acreditam nisso, não conseguem “conversar”…

sorvetes deveriam ser canonizados pelos sabores e texturas que só dão prazeres, não conheço ninguém que não goste de sorvete, e digo com uma consciência muito tranquila, é uma pessoa muito triste quem não gosta, não acham?! e o que isso significa dentro de um contexto onde as pessoas não se entendem…

bem, acredito agora que vocês devem ter compreendido, que cada um com o seu cada seu, sendo que o “teu” não existe, por que simples, somos passageiros dessa aventura maravilhosa que é existir nessa loucura toda que nomearam de vida…

prazeres gélidos, sentimentos afrodisíacos, arrepios com conversas multicelulares… é muito melhor quando nós conseguimos essa interação social, mesmo que consigo mesmo, em torno de seu único ser, àquele que interage com os outros seres, que são maravilhosos em suas essências também…

a ideia é de um livre julgamento, de pensamentos fortes e consistentes, contudo prazeirosos, alegres, fluidos e nossos! =)

Penúltimo dia… Último dia…

seguindo um calendário sem o menor sentido para algo que ninguém nunca explicou em vida, e ainda assim, ouvimos falar de cientistas mundo afora trabalhando geneticamente com nanotecnologia e propagar a espécie humana a categoria de imortal…

e isso também não faz o menor sentido… havia no prédio vizinho, em uma das janelas uma garota… ela balançava os braços e conversava alto… não dava para ouvir o que era, mas as gargalhadas eram sentidas aqui… ela cruzou os olhares ao longe, na escuridão da noite, será que dava para ver direito quem era quem…

aquelas risadas davam formas alongadas como tentaculos de polvos àquelas silhuetas… uma chamou outra e apontaram para cá… ele havia percebido um certo movimento mas preferiu ignorar… jovens… em suas festinhas particulares de oito amigos super legais, fumando manga-rosa e bebendo suas cervejas artesanais…

ele riu de volta ao fechar a cortina e ouviu a voz delas ao longe gargalhando muito sobre toda a situação… e se fosse em outros tempos… outras épocas em que podiamos escolher qualquer ação para criar momentos únicos… já que tudo é um sopro dentro de toda ideia colossal de um universo…

dava para ouvir as portas batendo pelos arranha-céus afora… alcançando as nuvens e fazendo tremer o amor dos querubins… choros internos e corrompidos por sentimentos alterados… se era para ser tudo bom, por que tudo parecia muito mais difícil do que aquela fase “eterna” que demorou meses para passar…

palavrões eram ouvidos enquanto as cobras subiam e desciam bailando pelas árvores de copas largas e troncos espessos… uma música alta dos motores de motos e caminhões misturados as gritarias das garrafas de cerveja compunham um cenário tão caotico quanto aquele imaginado pelos astronomos sobre tudo o que nos cerca la fora…

do que mesmo… se não crê por que segue… se está dentro da cidade, como não estar dentro do sistema… mesmo uma pessoa em situação de rua, está sujeita ao sistema… se é um último dia para mudar, um conto que começou na noite anterior, que possa ser sempre para um melhor para todos, um feliz ano novo!

Outros Verbos…

Ela estava deitada nua em nossa cama, e o desenho que seu corpo formava beirava aquele limite onde perguntamos e jamais saberemos das respostas, pois é exatamente isso que nos move… a beleza de não saber!

Se o universo tem uma forma, uma imensidão ou dimensão como queiram, aquelas formas esquias e curvas ao mesmo tempo, eram uma total representação visual das linhas mais fluidas e perfeitas que se podiam ter… ou fazer!

Por um artista ou desenhista, arquiteto ou “esculpista”, um lápis ou lapiseira, uma caneta acariciando uma régua, deslizando macio sobre um papel, concebendo uma verdadeira suruba artística…

Borrachas desmancham traições e contradições, canetas e pincéis aplicam camadas de prazeres embebededos pelas cores das tintas a óleo, por grafites grossos e finos, paletas que foram brancas e agora eram multicoloridas pelos orgamos das palavras…

Pelo prazer da criação, pelo tesão de conviver e compartilhar… de não saber o que acontecerá; todavia movidos pelas curiosidades, pelos divertimentos, pelas delícias das permissões que as peles suadas e entrelaçadas que trocam uma energia única e tornam a arte muito mais profunda e densa, com muitas possibilidades pela proporção das telas expostas…

Um Poema Irracional…

como um desejo insasiável e feroz de um grande animal…

que devora sua presa estraçalhando músculos, ossos e carne…

se lambuzando de sangue quente e ferroso…

não aceito sua grosseria como não quero que aceitem a minha…

se é para ser assim, que seja animalesco…

mas jamais raivoso…

há beleza na morte da presa quando se pensa na lógica…

todo animal só procura por comida e por abrigo…

para se sossegar com os seus…

porém dia a dia e todos os dias…

não é fácil para ninguém…

contudo mais difícil é para aqueles que criaram um jeito “idiota” de viver…

pagando por “coisas” que te tiram do foco…

comer e dormir… sossego!

Já Repararam que em Épocas de Crise, as cidades ficam mais sujas…

Em uma época de grandes duvidas, vejo homens nas ruas; eles estão mendigando e sujando tudo…

é a mesma época natalina, onde há duas esquinas dali, os jovens que se dizem legais em suas redes sociais estão sujando tudo…

vejo pessoas reclamando e reclamando e não é só em um lugar, ou uma cidade em específico, existe um “mundo” de gente reclamando…. e sujando tudo…

de verdade não sei qual é a pira, se todos acham que sabem de tudo e são grandes senhores de suas próprias vidas e liberdades… escolhem uma vida aleatória, seguindo uma boiada, sem nem entender que poderia pensar por si só e perceber que não era preciso sair… sujando tudo…

sujeiras de pensamentos, sujeiras de atitudes, sujeiras de… chega de falar disso… é necessário transmitir mais amor, já foi falado em diversos contos, a ideia é sempre praticar e praticar e praticar… limpando tudo!