Acasos…

E então diante daquela janela o sol vinha de mansinho e ele pegou-se pensando, é isso, é realmente e só isso… Além de não fazer o menor sentido para nada, ele olhou para o céu e estardalhou sua loucura… a luz que entrava na verdade era de um poste. Ah, as doces ilusões; são tão simples, e nossos sentidos, esses em que confiamos tanto para nos manter vivos nessa aventura toda, nos pregam peças ilusórias incríveis.

Era por uma escolha, consciente e de adulto, como manda o roteiro, portanto vamos seguir isso numa boa… Não funciona bem assim, lidar com sentimentos é algo que transforma, às vezes para o bem, às vezes para algo que você pensa, sério isso programadores, a vontade era de xingar os piores palavrões para esses caras de energia que provavelmente escreviam os códigos bizarros para nos fazer passar por esses jogos torturantes por um período de uns oitenta anos, era uma média.

Para cada pessoa, duas faces de partida… a maioria delas acreditava estar sendo livre assim, e seguiam e seguiam… Após algum tempo não importava a face que se escolhia, a merda tava feita, e o efeito era tipo daquelas ideias surreais de uma borboleta que bate asas na Austrália provocar um furacão na Califórnia… E ficava mais difícil escolher entre qual face… pois as duas, aiai… Sabia-se que não havia escapatória, ou apenas uma, aquela que todos fogem usando seus produtos rejuvenecedores, se alimentando de frutas de nomes esquisitos, fazendo ginásticas alternativas, e quando chegavam aos oitenta falavam que gostariam de ter trabalhado menos… Ele olhou para aquela frase e chegou à ideia de que aquilo fazia muito sentido…

Ele deu um bom dia para o sol… dessa vez era ele mesmo… com aves piando de todas as maneiras, uma leve brisa (ele pensou de novo com saudade do mar) balançando com carinho as folhas nas poucas árvores… nuvens púrpuras pintavam o céu e ele tentava encontrar aqueles bichinhos clichês, não havia nenhum. Apagou o cigarro amassando num canto da mesa e foi tomar uma ducha. Era por volta das sete horas da manhã, e ele não havia dormido nada…

Autor: pericles

Uma pessoa apaixonada por artes em todos seus âmbitos, um artista, um professor, um escritor entusiasta desenhando com letras! =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s