Fim do Verão…

Engraçado essa sensação que dava na barriga ao parar diante daquela imensidão azul. Ele estava usando uma bermuda praiana colorida que contrastava com o ambiente todo. Um ponto laranja no meio de tanto azul. Havia essa formação de pedras como uma pequena ilha, com plantas verdes e amarelas e árvores de troncos secos saindo de alguns pontos, e cactos pequenos e pontiagudos olhando para você. Havia também uma pequena caverna onde de outra vez junto de seus amigos, partilharam momentos de alegria com a erva sagrada e os pés dentro da água clara. Em cima dessa pedra, no topo da caverna ele olhava o melhor ponto para sair correndo e dar um mergulho. Onde as ondas quebravam nessas pedras, pequeninas conchas se instalavam ali e faziam do percurso um caminho um tanto cortante! Porém cada vez que uma onda batia e os espirros voltavam para cima dele, a vontade aumentava progressivamente. Sabia que precisaria fazer um leve movimento de arco com o corpo para poder ultrapassar a última pedra sem necessidade de colocar os pés nos mariscos, e conseguia até mesmo ouvir o barulho oco do impacto com a água e gostava tanto que com um sorriso sentiu o frio tomar seu corpo, e a luz entrar em seus olhos por cima, brilhando em feixes como funis. Eram mais ou menos sete metros de pura água cristalina. A magia acontecia com a amálgama que suas células formavam com a água e tudo era um só, as sensações, cheiros, forças, paisagens, seu corpo subia e respirava, depois descia e se encantava com aquele mundo tranquilo ali debaixo da água. A quantidade de peixes estilosos que desfilavam suas cores e formas distorcidas pelo movimento da água, naquele empurra e empurra de novo, e suas nadadeiras batendo rápido e isso se repetia como um balé submerso em meio as bolhinhas. E ali embaixo você podia ouvir as conchas conversando com as estrelas do mar em cima de uma areia fininha e cintilante. E acima quando subia e decidia deixar o corpo boiando e sentindo o sol contrastar as impressões de calor e frio na pele, meditava e deixava a cabeça desanuviar junto das nuvens brancas aladas. Era o fim do verão e o fim de mais uma temporada na praia…

Autor: pericles

Uma pessoa apaixonada por artes em todos seus âmbitos, um artista, um professor, um escritor entusiasta desenhando com letras! =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s