Elucubrações

Estava tomando um banho quando teve um delírio de ver o rosto da “Jennifer Aniston” gigantesco pintado de branco, em uma daquelas paredes vermelhinhas do Soho em NY. Havia um arco-íris enorme, acima da cabeça dela, também com tintas coloridas pingando… branco. Eu a observava de longe e ela achava aquilo engraçado e dava muitas risadas. Fiquei ali curioso olhando aquela cabeçona gigante piscar os olhos e mostrar os dentes, e de vez em quando colocava a língua para fora. E o arco-íris pingava branco para ela. E ela voltava a rir frenética, quando o líquido caia em sua língua. Fiquei pensando naquilo por um tempo enquanto tirava a espuma do sabão do corpo. Lutava o tempo inteiro contra a azia ou gastrite, não sabia bem o que era. Os pensamentos difíceis de dominar, querendo ter uma brisa suave, porém os sons das vizinhanças sempre me deixavam assustado demais.

Adorava ter essas alucinações mentais, que me faziam viajar em coisas divertidas e até mesmo tranquilas. Essa eterna inconstância ou vontade, não sei definir. Para onde quer que os olhos direcionem, não importa. Uma vez um amigo me perguntou sobre essa ideia de fluir. Ele ficava fodido com aquilo, não compreendia, não sei se por que não era da região, portanto não entendia alguns costumes do linguajar, ou se não entendia mesmo sobre o significado de fluência. Uma outra vez, sobrevoando o rio Amazonas indo em direção a Colômbia, percebi que ele, o rio, estava serpenteando boa parte de todo aquele grande mar verde de plantas e folhas. Era lindo. Mas enlouquecedor. Entender o tamanho daquilo, e perceber nosso tamanho enquanto espécie humana. Fluir como o rio. Poder se dividir, poder se entrecortar; no entanto ele segue uma direção apenas. Ele procura algo maior, algo que não os misturam completamente, e causam uma belíssima apresentação de choques das águas. E ainda assim continua fluindo. É fluência. Algo que precisamos praticar mais, entende.

Havia parado de fumar. Aliás nunca me considerei um fumante assíduo. Mesmo assim eram nesses papos onde a vontade de fumar vinha forte. Dizem que algo só acontece quando você percebe. Se isso é verdade, então estamos vivendo como personagens mesmo de vídeo-game.

Autor: pericles

Uma pessoa apaixonada por artes em todos seus âmbitos, um artista, um professor, um escritor entusiasta desenhando com letras! =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s