Sotaques

Ela era um pouco mais alta que ele, aquele estilo de morena jambo com os cabelos bem pretos e a pele brilhante. Tinha os traços marcantes, apesar que não sei te pontuar quando uma beleza é diferente. Ela era uma menina nas suas curiosidades e receios, e um mulherão lindo que ali parecia saber de sua força sensual, no poder de seu sotaque espanhol. Tinham amigos em comum, a aproximação entre eles foi natural e de repente ficaram grudados a noite inteira, sentados primeiro lado a lado e depois de frente um para o outro naquela calçada. Se olhavam e se perdiam em suas conexões. Risadas acompanhadas de interesses iguais fizeram aquela noite durar mais, expressões em línguas diferentes, duvidas trocadas com carinho, e por ele poderia ter durado mais ainda. Apesar das amizades, de ser muito bom conhecer tantas pessoas diferentes, você vai encontrar pessoas que vão te hipnotizar pelo caminho. Parece que nada ao redor importa, nem o local onde estão, se tem pessoas ou não, nem se não falam o mesmo idioma, tudo desaparece, só importa aquela afinidade. O assunto, o jeito da pessoa, às vezes é na descontração e não o visual, às vezes é em como se responde uma pergunta com interesse. Tem gente que se torna gentil querendo atender a vontade alheia, tudo para estender aquele instante, fazê-lo mágico e único. O problema, se é que existia, era para ele. Você pode ser gente boa com qualquer pessoa, sempre haverá interesses. Mesmo que no início seja amizade, é a forma como se entrega à ocasião que nos diz se vamos nos relacionar além ou não. Os detalhes que são fornecidos conforme a sequência daquele papo descontraído seguia mostrou para os dois os limites, ele percebe que ela é comprometida e fica um tanto triste, pois aquela entrega, dos dois lados, havia muita energia, havia uma vontade comum. 7 bilhões de pessoas, tantos e tantos amores. Ele conhecia o jovem namorado dela, um cara gente boa que tocava um violão fino numa esquina de um supermercado no litoral. Os dois viajavam juntos havia 4 meses, saíram do país vizinho, e se aventuravam pelo Brasil. Depois de uma carona divertida para o carnaval carioca, a casualidade colocou-os no mesmo lugar. Ela lhe tocou a perna pedindo um trago do cigarro. Como fazemos pra trocar contatos? Ela tinha um sorriso lindo no rosto e disse pra ele lhe procurar em uma rede social dessas que viajantes usam muito. Foi um encontro bem rápido, ela estava acompanhada e de saída. E no momento de partir, ao se despedirem, se abraçaram tão forte que ele pode sentir a maciez de seus seios, o cheiro doce de seus cabelos e em seus ouvidos a expressão “un gustaço!”

Autor: pericles

Uma pessoa apaixonada por artes em todos seus âmbitos, um artista, um professor, um escritor entusiasta desenhando com letras! =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s